Conta pra nós um pouco do teu trabalho.

Meu nome é Inára Maria Marques Pereira, cursei o Magistério e graduação em Letras. Por gostar de alfabetizar, antes mesmo de concluir o curso superior, especializei-me em alfabetização de crianças surdas. Com o decorrer do trabalho, senti a necessidade de maiores conhecimentos, indo, então, para a psicopedagogia. A partir daí, não parei mais de estudar.

Hoje atendo, além de crianças surdas, casos de Dificuldades na Aprendizagem, Autismo, Síndrome de Down e crianças com necessidades especiais. Meu trabalho é voltado para a educação e inclusão destas crianças em escolas regulares. Acompanho as famílias e as escolas delas.

Qual a importância de trabalhar a inclusão nas escolas?

Vejo um ganho não só para as crianças com necessidades especiais, mas, também, para as típicas. Com isso, estamos mostrando a todos que o mundo não é igual, que cada um de nós tem suas particularidades, uns com mais, outros com menos dificuldades. Acredito que incluir é mostrar à sociedade o natural da vida, sem esconder, sem medos, sem segregar o diferente.

A entrada na escola regular possibilita, de uma forma simbólica, a entrada na cultura. Temos o dever de mostrar e conviver com todas as deficiências. O que estiver escondido não será natural, não irá pertencer. Não podemos esquecer que a inclusão só existe porque a exclusão vem primeiro. E as escolas são o espelho da sociedade, do mundo em que vivemos, com todas as suas imperfeições. Com isso, então, nosso desafio será o de desconstruir, modificar e preparar-nos para receber pessoas com deficiência (PCD), não só dentro da escola mas para fora dela. Temos que pensar na educação como um todo, em mudanças profundas e importantes dentro do sistema de ensino. E isso demanda o envolvimento e até a boa vontade do poder público.

Qual o impacto disso na vida dessas pessoas?

O impacto é o de se sentirem pertencentes a este mundo, percebendo as suas diferenças e as dos outros. É crescer, aprender, tolerar frustrações, trocar com o outro. Digo sempre que é ser exigido dentro das suas potencialidades, respondendo, muitas vezes, sem perceber que são capazes. Em alguns momentos, existe uma tentativa de inclusão, mas a própria criança não consegue se integrar. Cabe, então, à escola, propiciar este espaço de reflexão sobre uma prática menos segregacionista e mais acolhedora.

Por outro lado, me arrisco a dizer que os "típicos" crescem junto. Ter um colega ao lado que não entende o que o professor fala, não consegue acompanhar o ritmo do grupo ou mesmo as brincadeiras, desenvolve nestas crianças um senso de solidariedade, empatia, tolerância e, acima de tudo, respeito ao outro. A satisfação em aprender é gratificante, mas perceber o colega de sua turma que não conseguia comunicar-se, fazê-lo, ou sentir a emoção de ver os primeiros passos de quem não caminhava, mesmo estando no final da educação infantil, não tem preço.

O que já é feito nos dias de hoje para promover a inclusão?

Há alguns anos se vem falando e trabalhando em inclusão. Temos leis nacionais e internacionais que asseguram o direito à educação, garantem matrícula e proíbem a cobrança de taxas adicionais a estudantes com deficiência. Com isso, nenhuma escola poderá recusar a matrícula de uma criança, seja qual for o seu diagnóstico. É um movimento que se fundamenta nos direitos das pessoas com deficiência (PCD) e suas famílias, buscando uma melhor qualidade de vida por meio de políticas públicas e privadas não só na educação, mas na saúde e nas oportunidades de trabalho. Empresas criam setores de treinamento e acompanhamento de seus funcionários, independentemente de suas particularidades. Fundamentam-se no reconhecimento e valorização da diversidade.

A grande divulgação por parte da mídia tem ajudado no contato e na desmistificação das PCD. As redes sociais também auxiliam com a troca, com discussão, visibilidade maior ao acesso às cotas, legendas, intérpretes de Libras. Importante também considerar que dentro de cada deficiência a diversidade é grande. Como todos nós temos particularidades, as deficiências também assim o são. Casos leves, outros com um maior comprometimento. Cabe também considerar que o diagnóstico precoce é fundamental. No próprio autismo, que há alguns anos só se dava diagnóstico aos 3 ou 4 anos, hoje se estuda casos de risco de autismo. Quando percebido desde cedo, é possível já se começar com estímulos que farão toda a diferença para o paciente. Na própria surdez, ao ser diagnosticada com poucos meses, já se inicia estímulos sonoros adequados.

Especialmente nas escolas, embora ainda longe do ideal, vemos uma abertura maior, profissionais ferramentando-se com estudos e recursos para melhor atenderem estas crianças que chegam, e que, muitas vezes, não têm um acompanhamento especializado ou sequer um diagnóstico. Docentes querem aprender, saber de diagnósticos, procurando alternativas para melhor ensinar. Há um tempo, assessorando a professora de um paciente, ouvi dela: "Quando recebi este aluno, me desesperei, quis desistir pois teria muitos problemas. Hoje, percebo que tenho um desafio pela frente, que sou capaz, peço ajuda e estudo muito para poder ajudá-lo." A cada final de ano, vejo profissionais realizados, crescendo junto com seus alunos.

Lembro que quando iniciei o trabalho com deficientes auditivos, literalmente, as portas se fechavam. Os professores não se sentiam capazes de ensinar crianças fora dos padrões "normais". Era muito assustador, sentiam-se ameaçados nos seus saberes. Não conseguir ensinar era atestado de incompetência.

Penso que, gradativamente, os profissionais da educação foram percebendo a importância de não se colocarem num lugar do saber, passando a construir, juntos, o conhecimento.

O que tu achas que ainda pode ser feito?

Na prática, ainda vemos escolas negando matrícula, alegando não ter vaga ou não ter suporte pedagógico para atendê-los. A minha argumentação aos pais é que temos uma lei que nos ampara, mas nós é quem devemos escolher a escola, observar a disponibilidade dela em abrir-se ao diferente. A nossa, e que deve prevalecer, é a "lei do coração". Não quero dizer com isso que não devemos lutar pelos direitos das PCD, pelo contrário, mas só eles não nos garantem sucesso.

Penso que a importância da inclusão é de todos nós. Devemos mostrar às nossas crianças e jovens que a diversidade humana existe, todos com suas facilidades e dificuldades. O exemplo de respeito por parte dos adultos é crucial, seja nas vagas preferenciais, no uso de palavras adequadas referindo-se a qualquer que seja a deficiência, denunciar o bullying, observar a acessibilidade nas ruas, nos estabelecimentos e nas escolas. Lutar pelas leis que já existem, não permitir nenhum retrocesso e conversar abertamente sobre diversidade deve pautar todos os espaços em que a palavra se coloca. Incentivar as nossas crianças a defenderem colegas que necessitam de ajuda, nunca se omitindo em situações em que percebem injustiça. Ensiná-los a ficarem ao lado dos que estão sozinhos, encorajando-os e sendo amigos. Deixar claro para eles que brincadeira só é brincadeira quando todos se divertem.

É crucial mudanças em nossas concepções sobre sujeito, ressignificar o nosso olhar e a nossa escuta a cada indivíduo, entendendo a complexidade humana, independentemente da peculiaridade de cada um.

Quais os principais desafios da inclusão?

Muitas ações ainda precisam ser feitas. O engajamento de toda a sociedade é o grande desafio. Enquanto nos depararmos com notícias sobre crianças e jovens sofrendo bullying na escola, outra que foi desconvidada para o aniversário do coleguinha, aqueles que não podem ir ao passeio com a escola, ou ainda serem julgadas "sem limites" frente a uma crise na rua, não estaremos efetivamente incluindo. Ou seja, até esta diversidade não se tornar, minimamente, normal, estaremos vendo a violência sendo noticiada.

Frequentemente pergunto aos meus pacientes se na sua escola têm crianças negras ou com alguma deficiência. Da grande maioria a resposta é "não " ou "poucos". Onde estarão? Escondidas? Segregadas de uma sociedade que ainda prima pela perfeição, pelo belo, pelo correto segundo suas concepções? Estarão elas à margem dos padrões sociais estabelecidos ou ideias preconcebidas?

Estamos assistindo, no momento, uma avalanche de notícias, postagens, reportagens, sobre a jovem ativista Greta Thunberg. Eu, particularmente, impactada com a falta de sensibilidade, humanidade.

Greta é autista. O mundo todo se dividindo em críticas, uns julgando e desrespeitando, outros entendendo, por exemplo, uma explosão de emoções que teve em seu discurso na ONU há poucos dias. Greta é Asperger e teve um meltdown, ou seja, uma sobrecarga de estímulos, sintoma do autismo, onde não tem controle destas emoções.

O que isto nos diz?

Greta está colocada num lugar de violência, de exclusão, um lugar simbólico de não poder falar. Ela fala, grita no seu auge de emoção, mas não é escutada na sua essência. É julgada, "não sabe o que diz", afinal, sua condição de autista não é respeitada.

Sua condição é considerada como uma deficiência mental e não como um transtorno. Escutar e olhar Greta é dizer sim a todas as pessoas com deficiência.

A saída para o grande desafio é dar voz e visibilidade a todos.

Como a tecnologia auxilia nesse processo?

Com o aumento da inclusão escolar, os recursos usados para proporcionar o aprendizado efetivo também vêm evoluindo. Nos deparamos com gerações que já nasceram digitais e, com isso, a preocupação das escolas é aliar-se cada vez mais a esta ferramenta, tornando o seu uso imprescindível. Além de ser atual, de uso familiar ao aluno, facilita o aprendizado e promove uma maior adequação de conteúdos. Para crianças com deficiência, essa outra forma de acessar o conhecimento traz maior estímulo, sentem-se iguais a seus pares, mais respeitadas e mais criativas. A concentração muda a partir do uso destes recursos digitais, estimulando seus sentidos. O uso da tecnologia de forma coletiva desenvolve o respeito às diferenças, senso de companheirismo, resolução de conflitos. O diferente passa a ter as mesmas oportunidades e capacidades que seu grupo apresenta. Sentem-se verdadeiramente pertencentes, incluídos ao mundo real.

E como ela atrapalha?

Como tudo, o excesso não é benéfico.

Vejo crianças obcecadas, dependentes do uso de tecnologias. Habituam-se a estar conectadas durante um período prolongado, não tendo um espaço para brincar, criar, relacionar com outras crianças. Ficam hipnotizadas pelos jogos, perdendo o interesse por outras atividades e relacionamentos que não sejam ligados às telas. Acredito que cabe à família este controle, estipular horários e estabelecer regras para este uso. Propiciar atividades ao ar livre, atividades coletivas, praticar algum esporte ou mesmo os momentos de ócio.

Quais ferramentas tecnológicas tu utilizas com os teus pacientes? Como funciona?

Sempre procurei diversificar o meu trabalho, tendo um cuidado de não repetir o que é feito na escola ou em casa. Trabalho com crianças que não aprendem ou que apresentam dificuldades e particularidades no aprendizado. Entre os variados recursos que utilizo, está a tecnologia. Este recurso é restrito em alguns casos, principalmente àqueles que, naturalmente, já fazem um uso excessivo em casa. Para outros, é importante o manejo, a busca, o jogar e pesquisar. Mesclo o brincar, escrever, desenhar, ler e jogar. Funciona muito bem, reconhecem que é um espaço de múltiplas atividades e que a tecnologia é somente mais um dos recursos.

Conta pra nós algum caso em que a tecnologia auxiliou o aprendizado e pertencimento dessas pessoas.

Há alguns anos, atendi durante um grande período um menino com paralisia cerebral. Na escola, inicialmente, por não conseguir escrever com agilidade, os colegas o auxiliavam tirando fotos das atividades escolares e a família fazia os registros em seus cadernos. Com o tempo, foi permitido pela escola que levasse um notebook e realizasse todas as atividades nele. Com isso, tornou-se mais independente e autônomo. Passou a participar mais das aulas, sentindo-se mais confiante e incluído ao grupo.

Atualmente utilizo uma plataforma digital de histórias e jogos com um menino com autismo. Este recurso me foi cedido pela escola, por ele sentir-se mais interessado e confiante. No decorrer do tempo, tem demonstrado uma maior curiosidade pela leitura e arriscado mais em suas produções escritas.


A educação e a inclusão estão ligadas e com a ajuda da tecnologia e, principalmente, da boa vontade de cada um de nós, teremos um mundo mais justo e inclusivo para todas as pessoas, independente de suas particularidades.