Já estamos na era da educação 4.0, mas você sabe o que isso significa?

Este é um momento bastante especial, pois ao longo de tantos anos nunca tivemos uma educação tão experiencial como esta. Para você compreender melhor, quando falamos sobre educação 4.0, estamos propondo que a escola tenha um papel muito mais significativo, colaborativo e presente na vida dos estudantes. A família também está presente e participa ativamente dos momentos. Além disso, gestão e professores se ressignificam e buscam novos olhares e formas de fazer, trazendo consigo mais repertório, metodologias, entre outros recursos.

As aulas não se restringem mais a espaços físicos e contamos com a internet inteligente a nosso favor. Uma rede que adapta e filtra cada vez mais os conteúdos ajudando docentes e discentes no trabalho de curadoria. Se torna importante para formar o cidadão global, preparado para os próximos desafios e novas formas de comunidades. Ensinando, assim, os indivíduos o "aprender a aprender" e "aprender a compartilhar e colaborar". Essa é a experiência do ser, fazer e sentir.

Neste post vamos trazer 10 termos que entram em ascensão com o advindo da educação 4.0 e como eles estão presentes em nosso dia a dia.

#1 Microlearning

Os pequenos aprendizados acontecem todos os dias e devem ser celebrados do mesmo modo como os grandes feitos e realizações. Seu objetivo é focar em um aprendizado por partes: conforme você vai evoluindo novas instruções são passadas a você. A proposta é que você adquira habilidades aos poucos para conquistar grandes competências. Você foca e concentra sua energia em uma parcela de informações para compreender seu todo e já ter a capacidade de aplicar seus aprendizados na prática. Desse modo, o microlearning é utilizado em etapas de um curso ou até mesmo uma disciplina. Também pode ser usado quando, através de nosso próprio estudo, aprendemos algo mais específico ou uma parte de um tema mais global.

#2 Nanodegree

Em conceito podemos dizer que é um pouco parecido com o microlearning. No entanto, tem como principais objetivos a conclusão de um curso ou formação com certificado que lhe atribua as competências necessárias para se desenvolver em algum tipo de tarefa ou trabalho. Assemelha-se a uma graduação de curto prazo focada na prática.

Atualmente conhecemos esse conceito como um curso técnico ou até mesmo um tecnólogo. Porém, a nanodegree é mais específica e tem como função buscar conhecimentos mais centrados em determinada atividade. Ainda não está tão popularizada no Brasil, mas algumas plataformas já a utilizam e contamos com empresas (mais no setor de TI) que já comprovam seu certificado. É importante salientar que ela ainda não substitui um título de graduação, principalmente se você tem como objetivo prestar algum tipo de concurso público. Elas não são credenciadas no MEC.

#3 MOOCs

As MOOCs (Massive Open Online Course, ou Cursos Massivos Abertos) não são novidade, principalmente para o universo da educação a distância. No entanto, não poderíamos deixar de citá-la, pois continuam sendo tendência e estão super em alta. Por bastante tempo sofreram preconceito e não eram reconhecidas por instituições e empresas, mas isso está mudando.

Atualmente, as Moocs são grandes soluções para quem deseja apostar em aprendizado gratuito, ágil e de qualidade, além de ser focado naquilo que realmente estamos interessados em aprender. Outro ponto positivo desse modelo de ensino é que normalmente são colaborativos e os próprios alunos são responsáveis por avaliar e dar feedbacks para seus colegas.

#4 Unschooling

Podemos chamar de ensino informal, educação domiciliar ou desescolarização. Aqui no Brasil tem sido um tema bastante polêmico, principalmente em virtude de algumas propostas como é o caso da EAD no ensino médio. Não vamos entrar, neste post, em questões políticas e sim focar no seu termo e como sua utilização repercute na sociedade.

Seu conceito tem um caráter ideológico já que nos provoca a pensar no ensino além dos muros escolares, em como tornar possível o aprendizado e aperfeiçoamento por conta dos próprios indivíduos. Focando no público adulto sabemos o quanto essa prática já é realizada e inclusive bem sucedida. Até porque, no mundo em que vivemos é necessário manter continuidade nos estudos, seja formal ou informalmente.

A plataforma mais conhecida mundialmente que incentiva o unschooling é o Youtube, pois através dele já conseguimos aprender uma variedade imensa de conteúdos.

#5 Crowdlearning

Este conceito também já é usado há algum tempo e significa colaboração para o ensino e aprendizado. Podemos chamar de inteligência coletiva em prol da sociedade. Significa termos muitas pessoas colaborando nos mesmos processos ou com mesmos objetivos transformando o conhecimento em algo muito maior.

O exemplo que temos mais conhecido sobre inteligência coletiva é a Wikipedia. É um grande espaço onde todos podem colaborar com informações e dessa forma compartilhar com o mundo. No entanto, ainda que alguns achem que isso é uma bagunça, há curadoria para análise dos materiais disponibilizados.

Neste vídeo podemos entender um pouco mais sobre Crowdlearning.

#6 STEAM

Assim como o movimento maker, o STEAM (Science, Technology, Engineering, Art, Mathematics) tem tomado forma e gosto para os brasileiros. Internacionalmente conhecido há mais tempo, tem como objetivo o desenvolvimento de aulas, projetos e atividades baseadas em ciência, tecnologia, engenharia, arte e matemática.

A sua proposta é construir o conhecimento a partir dessas cinco áreas inspiradoras em parceria com os outros componentes curriculares, como português, história, geografia etc.

Para que seja possível desenvolver uma aula a partir dessa temática, os alunos são desafiados a resolverem problemas muitas vezes utilizando recursos como robótica, impressão 3D e demais elementos que tenham capacidade de unir essas áreas do conhecimento de uma forma mais experiencial e inovadora.

#7 Gamification

A Gamification ou Gamificação já é mais famosa e utilizada no mundo dos negócios, mas isso não significa que não possa contribuir no campo educacional. Com o advindo dos novos modelos de ensino, focando bastante em metodologias ativas, a gamificação vem atraindo olhares e se tornando mais presentes em aulas e planejamentos.

Seu objetivo é utilizar o pensamento dos jogos e até mesmo elementos de games para tornar certas tarefas e atividades mais divertidas, prazerosas e engajadoras, fazendo com que tenham real significado para quem está vivendo essa experiência.

#8 Ensino personalizado e adaptativo

Uma das partes mais importantes da educação 4.0 é a preocupação com o ensino personalizado e adaptativo. Isso significa um ensino e aprendizado de um para um. Muito diferente das salas de aula onde contamos com dezenas de alunos sentados em fileira, recebendo de forma passiva, orientações de um professor.

Ela se preocupa com a forma como cada um aprende, suas fortalezas e fraquezas. Atua individualmente sobre cada aspecto do indivíduo. E só acontece quando há parcerias entre escola, professor, aluno e família. Pode ser mais bem sucedida quando apoiada por tecnologia como plataformas digitais ou ambientes virtuais que assumam um papel de inteligência e análise de dados sobre o acompanhamento do aluno.

#9 Itinerários formativos

Tornaram-se mais populares devido a proposta do novo ensino médio. Tem como objetivo proporcionar aos estudantes opção para caminhos educativos conforme aptidão e desejo de cada um. A ideia é que pelo menos 40% da carga horária do ensino médio seja destinada a essa jornada personalizada que pode ser tanto profissionalizante quanto acadêmica.

Cada jovem vai poder escolher, dentre o ofertado pela escola, oficinas, palestras e demais atividades que se complementem e façam parte do currículo escolar.

#10 Curadoria

O papel do professor está mudando bastante nessas últimas décadas e talvez essa transição seja um dos motivos da crise no setor acadêmico. Deixar de ser o detentor do conhecimento para se transformar em mediador, facilitador e curador de conteúdos não é tarefa fácil. Essa mudança não é tão simples quanto parece e ainda necessita de amadurecimento.

De qualquer forma, mais do que tendência, é preciso discutir sobre curadoria para torná-la mais presente no dia a dia escolar. Como já bem sabemos, informação se encontra em qualquer lugar. Porém, informação com qualidade e em veículos sérios não é tão banal quanto pensamos. Ainda mais incorporados ao momento das fake news. É necessário a presença total de um professor curador que tenha a capacidade de filtrar e avaliar os conteúdos, auxiliando de forma responsável os seus estudantes.


Mais do que tendências, podemos perceber que esses 10 tópicos discutidos nunca foram tão atuais. É muito interessante poder notar o quanto a educação, principalmente a brasileira, está amadurecendo e incorporando novos formatos de ensino.

Ainda que estejamos em momentos transitórios e que fatos políticos também influenciem decisões no âmbito acadêmico, é preciso respeitar esse tempo de amadurecimento e compreender que grandes mudanças se dão através dos aprendizados, erros e aperfeiçoamentos.

Fonte da imagem de capa: Pexels